Há Limites para o Humor ?

Esta sentença foi proferida pelo Culto Magistrado de São Paulo, Doutor Tom Alexandre Brandão, e publicada recentemente, em 3 de fevereiro de 2014. Cuida de um caso interessante que diz respeito aos limites do humor e envolve o conhecido humorista “RAFINHA BASTOS”. 

Acompanhamos nos últimos anos o surgimento de novas e criativas formas de fazer humor. As vezes o humorista é ferino e agressivo ao usar fatos e acontecimentos extraídos da nossa realidade social para brincar. Em outras situações o humorista é grosseiro com personalidades públicas. Por conta dessa nova forma de fazer humor, que parece tem um bom público, nos perguntamos se deve haver algum limite para esta forma de expressão. Esta sentença trata justamente desse tema ao julgar uma ação civil publica ajuizada contra o humorista. Recomendo a leitura da excelente argumentação lançada pelo Douto Magistrado e que o leitor faça as suas reflexões. Podemos impor limites ao humor ? 

Vistos.

Trata-se de ação civil pública proposta pela ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS – APAE SÃO PAULO em face de RAFAEL BASTOS HOCSMAN.

Narra a petição inicial que o réu é o protagonista de um show de stand-up comedy intitulado “A Arte do Insulto”, comercializado em mídia “DVD” por todo o território nacional.

Afirma que o réu, humorista conhecido como “Rafinha Bastos”, “ganhou notoriedade nacional por enfrentar delicadas questões de natureza social, religiosa e étnica de maneira não raras vezes mais do que polêmica, insultosa, daí advindo naturalmente o título por ele próprio emprestado a seu show e respectivo DVD” (página 3).

Insurge-se a associação autora contra uma brincadeira que consta do aludido show, mais precisamente quando o humorista diz a seguinte passagem:

“um tempo atrás eu usei um preservativo com efeito retardante … efeito retardante … retardou … retardou … retardou … tive que internar meu pinto na APAE … tá completamente retardado hoje em dia … eu tiro ele prá fora e ele (grunhidos ininteligíveis)”

Questiona, ainda, outra intervenção do humorista que, no seu sentir, “derrapa no tom da elegância e esbarra na esfera de direitos tutelados pela Constituição Federal”, quando o réu defende seu posicionamento contrário à fila preferencial instituída por lei a idosos, pessoas com deficiência e outros:

as pessoas na cadeira de rodas … ah, fila preferencial! Haha advinha amigo, você é o único que tá sentado. Espera quieto! Cala essa boca!

A associação autora entende que saiu de cena a arte, restando apenas puro insulto à honra e imagem de pessoas com deficiência mental.

Deste modo, sustenta que o réu atingiu de modo violento a dignidade de todos aqueles que suportam a já dura e triste realidade de quem é acometido por deficiência de qualquer natureza. Recorre à Constituição Federal e à Declaração Universal dos Direitos Humanos para defender que todos têm direito à proteção contra qualquer discriminação.

Pede, ao final, uma tutela de natureza cominatória, mais precisamente para que o réu se abstenha de vender, dispor à venda ou fazer circular por qualquer meio ou forma o DVD com o show “A Arte do Insulto” ou, alternativamente, que retire menção feita à APAE e a pessoas com deficiência mental.

Requer que a ordem seja estendida para shows e apresentações do humorista, de maneira que não possam contemplar a associação autora ou pessoas com deficiência mental.

Pretende, ainda, a condenação do réu ao pagamento de (i) indenização pelos prejuízos causados à imagem da associação, (ii) ao valor de R$ 10.000,00 a cada associado que venha a se habilitar nos autos e, por fim, (iii) em quantia a ser destinada ao Fundo de Direitos Difusos (FDD).

A petição inicial, emendada, foi instruída com documentos.

Houve o deferimento da liminar pretendida (páginas 73/81). A decisão foi confirmada pelo Egrégio Tribunal de Justiça de São Paulo no julgamento do agravo de instrumento interposto pelo autor.

Citado, o réu ofereceu contestação, acompanhada de documentação. Em preliminar, defende a ilegitimidade ativa da autora, bem assim a inadequação da via escolhida para a defesa de direito individual da associação.

No mérito, argumenta que o humor desfruta de proteção constitucional e que não pode se sujeitar à censura ou repressão. Explica que as piadas não refletem a opinião pessoal do humorista e que têm como único objetivo divertir (animus jocandi).

Nega os danos reclamados.

A associação autora manifestou-se em réplica.

Parecer do Ministério Público opinando pela procedência parcial dos pedidos iniciais (páginas 341/359).

Realizada audiência de conciliação, infrutífera.

É o relatório. Decido.

Possível o julgamento antecipado, nos termos do artigo 330, I, do Código de Processo Civil. Desnecessária a instrução, sendo certo que os fatos que interessam ao deslinde do feito estão documentados nos autos.

Afasto a preliminar de ilegitimidade ativa, pois a autora tem entre as suas finalidades a defesa dos interesses das pessoas portadoras de deficiência mental que, em tese, poderiam sentir-se atingidas pelas piadas descritas na petição inicial.

Assiste razão ao réu, todavia, quanto à preliminar de inadequação da via eleita em relação a um dos pedidos. A ação civil pública não poderia deduzir pretensão de natureza individual e particular da associação autora, mais precisamente quando persegue proteção à própria imagem.

Prejudicado, assim, o pedido indenizatório no valor de R$ 100.000,00 pelos prejuízos alegadamente causados à imagem da associação autora (página 19, item C, ‘iii’).

No mais, não há outras preliminares ou nulidades aparentes.

Passo ao mérito.

Pese a orientação já sinalizada pelo Tribunal de Justiça de São Paulo no julgamento do agravo de instrumento interposto pelo réu, ressalvo, com a devida vênia, o entendimento absolutamente distinto deste magistrado acerca da questão colocada em litígio.

O humor é uma importante forma de manifestação artística e cultural, instrumento relevante de compreensão dos grupos sociais ao longo da História. É, sobretudo, fruto de expressão do espírito e da inteligência.

Tormentoso estabelecer critérios científicos para definir e identificar o humor.

O assunto remete à discussão acerca da pornografia travada na Suprema Corte dos Estados Unidos nas décadas de 1960 e 1970. São emblemáticos os julgamentos daquele Tribunal que abordam os contornos do que poderia ser considerado como obscenidade e, portanto, passível de banimento.

Buscava-se a interpretação da primeira emenda à Constituição dos Estados Unidos, que impede edição de lei pelo Congresso que limite a liberdade de expressão .

Mais do que a análise do cotejo entre o direito individual à liberdade de expressão e autonomia privada para o consumo desse material e os interesses públicos supostamente violados pela propagação da pornografia, a questão ganhou relevo pela própria dificuldade em se definir o que poderia ser considerado como um material obsceno ou pornográfico.

O juiz Potter Stewart da Suprema Corte, ao abordar o problema, proferiu uma frase que se tornou célebre na jurisprudência norte-americana: “eu não consigo definir a obscenidade e talvez eu nunca consiga. Mas eu sei o que é quando a vejo” (tradução livre).

Evidente que, àquela época, os tempos eram bem diferentes. Questionava-se, inclusive, a possibilidade de publicação e distribuição de obras literárias com conteúdo considerado obsceno, o que hoje seria inimaginável.

Todavia, a dificuldade de se definir o que era pornografia guarda interesse.

O problema se repete no caso do humor. Como delimitar o que é humor para, apenas então, discutir se o Estado pode ou não interferir na liberdade de expressão. A exemplo da feliz observação do juiz norte-americano, qualquer pessoa tem capacidade de discernir, com um pouco de boa vontade e um mínimo de inteligência, o que é uma manifestação humorística, distinguindo-a de uma simples opinião.

Essa introdução parece-me relevante, pois a vedação ou limitação ao humor esbarra em valores constitucionalmente garantidos e direitos fundamentais, tais como a liberdade de manifestação do pensamento (artigo 5º, IV, da Constituição Federal), da expressão da atividade artística (inciso IX) independentemente de censura ou licença, bem como o livre exercício da profissão (nas hipótese de comediante profissional).

O humor tem como uma das suas finalidades a diversão e, não raro, é marcado pela descontração; vale-se do exagero, da hipérbole e do absurdo para provocar o riso; é uma constatação banal, mas que deve ser tomada como premissa no caso dos autos, pois é absolutamente inadequado interpretar uma piada no seu sentido literal, tal como pretendido pela associação autora.

São interessantes as observações do professor Cláudio Luiz Bueno de Godoy[1]:

(…) É verdade que, especialmente nesses casos (o autor se refere a programas humorísticos e caricaturas), os direitos da personalidade devem ser encarados sem se desconhecer que o exagero é ínsito àquelas manifestações de humor. Daí que, em si, o exagero não pode ser causa de dano à personalidade como o é em outros campos. Em diversos termos, apenas em condições extremas e explícitas será possível enxergar ofensa à honra ou à imagem, especialmente, derivada de manifestação exagerada, mas com finalidade humorística. Isso porque, afinal, como é evidente, o humor também não serve a mascarar ou a justificar conduta que seja deliberadamente ofensiva a outrem. Por certo que a roupagem humorística não constitui um salvo-conduto contra a infringência proposital a direitos da personalidade…”.

Nesse ponto, oportuna a distinção trazida por Manuel da Costa Andrade[2] acerca da roupagem e da mensagem ínsitas às manifestações humorísticas.

O humor, em regra, carrega uma roupagem própria e característica de sua forma de expressão, que, como visto, é marcada pelo exagero, muitas vezes pelo grotesco. E esse modo de linguagem, por óbvio, não pode gerar qualquer violação a direitos da personalidade. Em suas palavras:

“(…) à roupagem cabe, assim, uma função prevalentemente apelativa: emprestar visibilidade e força à mensagem a transmitir. Acresce que é sobretudo na roupagem que se actualiza a liberdade de criação artística da sátira e da caractura. O que confirma a expectativa já antecipada e segundo a qual a roupagem não colidirá normalmente com a dignidade pessoal. A acontecer, a colisão há-de, em princípio, levar-se à conta de custo social a suportar em nome da liberdade de criação artística. Em regra, ela aparecerá como socialmente adequada, não se revestindo daquela soziale auffälligkeit que na já citada formulação de Kakobs constitui a marca da tipicidade. E isto, importa sublinha-lo, postas entre parênteses as questões do bom gosto ou da velência estética da manifestação concreta da sátira ou caricatura.

Vivemos num mundo aparentemente contraditório: de um lado, expandem-se formas novas formas de humor escrachado, como se percebe em programas televisivos, sites na internet ou em espetáculos de show do tipo stand up comedy”, como retratado nos autos.

Em contrapartida, é cada vez mais perceptível uma exacerbação da sensibilidade da opinião pública, avessa ao humor  “chulo” (ou talvez à explicitação dessa forma de humor) ou mesmo a qualquer tipo de exploração das diferenças.

É um reflexo do “politicamente correto”. Elias Thomé Saliba, professor titular de História da Universidade de São Paulo e profundo estudiosos do humor, aborda com propriedade esse fenômeno:

“(o politicamente correto) é uma criação ideológica característica de sociedades que perderam o norte dos padrões morais e acabaram por impor regras casuísticas tópicas, que só conseguem estabelecer limites arbitrários. Batizado com outros nomes ou disfarçado de alguma forma de censura, o ‘politicamente correto’ sempre existiu em sociedades que viveram momentos distópicos, quando a ausência de cenários futuros deixou de ensejar padrões morais estáveis. O resultado é um moralismo nervoso que se manifesta aqui e ali, meio esquizofrênico, tópico, que não sabe bem a que veio e, na história, nunca resultou em boa coisa.”

Manifestações humorísticas que eram bastante comuns e apreciadas no passado já não mais são aceitas pela sociedade contemporânea (ou por parte dela). Vale mencionar, como ilustração, um famoso programa humorístico dos anos 70 e 80 chamado “Os Trapalhões”, da Rede Globo de Televisão. Um dos participantes (Antônio Carlos Bernardes Gomes, cuja alcunha era “Mussum”), negro, era frequentemente associado à figura de um cachaceiro e de um macaco. À época, tais insinuações eram consideradas inocentes e perfeitamente assimiláveis pela audiência.

Essas mesmas piadas, acaso repetidas nos dias atuais, certamente gerariam enorme grita, quiçá com repercussão criminal.

A questão, inicialmente simples, convida à reflexão. Em realidade, é interessante perquirir o próprio conceito de ato ilícito e, no limite, a eficácia da intervenção do Direito como sistema de controle e organização social.

Considero que, no aspecto jurídico, a expressão humorística deve ser respeitada num grau extremamente elástico, independentemente do tipo, da qualidade e, inclusive, do assunto tratado. Mesmo os temas que consistem em tabus sociais podem ser objeto de humor. Exemplos ajudam a construir o raciocínio.

Em data recente houve uma polêmica acerca da instalação de uma estação de metrô em Higienópolis, tradicional bairro da cidade de São Paulo, que reúne grande concentração da comunidade judaica.

Em síntese, alguns moradores do bairro, tido como elitizado, supostamente questionaram a necessidade da linha metroviária no local, freqüentado por “gente diferenciada” que não necessitaria daquele meio público de transporte. Não desejavam, em realidade, a popularização do bairro.

Diante da celeuma causada pela posição aparentemente segregadora, um humorista conhecido como “Danilo Gentili” utilizou-se das redes sociais para divulgar a seguinte piada: “entendo os velhos de Higienópolis temerem o metrô. A última vez que eles chegaram perto de um vagão foram parar em Auschwitz“, em clara referência ao campo de concentração nazista utilizado no período da Segunda Guerra para exterminar judeus.

Como é cada vez mais comum no cenário contemporâneo, em que as comunicações são verdadeiramente instantâneas, o texto gerou inúmeras críticas dos mais variados segmentos da sociedade, sendo certo que o episódio assumiu grandes proporções.

O humorista, de imediato, formulou pedido de desculpas na mesma rede social, pela qual afirmou que sua intenção, como comediante, nunca foi trazer nenhum outro sentimento ao público que não fosse alegria.

Pode-se questionar se o referido humorista foi feliz, ou não, em fazer uma brincadeira com uma matéria tão sensível. Pode-se mesmo afirmar que demonstrou grande falta de tato, até mesmo por formular essa piada numa rede social, cujo alcance é inimaginável.

Mas, a meu sentir, parece-me evidente que o humorista não cometeu qualquer ato ilícito ao simplesmente fazer uma piada que envolveu o judaísmo. Afirmar que ele corroborou a prática nazista seria uma conclusão absolutamente ridícula, hipócrita e desconectada com a realidade.

Na última virada de ano, o piloto alemão Michael Schumacher sofreu um gravíssimo acidente ao praticar esqui e permanece internado em estado de coma devido ao traumatismo craniano. Nesse mesmo período, o lutador Anderson Silva machucou-se seriamente em uma luta em que disputava o título mundial, na qual fraturou diversos ossos de sua perna.

Malgrado a repercussão mundial desses tristes acontecimentos, não tardaram surgir piadas envolvendo esses episódios nas redes sociais, tais como: “o Anderson Silva encontrou Michael Schumacher no hospital e tiveram uma conversa sem pé nem cabeça”.

A brincadeira foi infeliz? Talvez sim. Inoportuna, diante do sofrimento de fãs e familiares? Provavelmente. Engraçada ou espirituosa? Não interessa. Mas, há de se convir, quem conta essa piada não comete um ato ilícito e, tampouco, deseja o mal aos atletas. Apenas aproveita a ligação desses acontecimentos para fazer uma conexão humorística.

O mesmo raciocínio pode ser aplicado ao caso dos autos.

Não é admissível sequer cogitar que o réu nutra algum tipo de desprezo em relação aos portadores de deficiência física ou mental, assim como não é possível afirmar que as pessoas em geral tenham efetivamente problemas em relação às loiras, aos portugueses, aos gagos…

Qualquer piada, desde a mais singela possível, pode dar azo a uma interpretação cruel. Ora, quem brinca dizendo que “mulher no volante, perigo constante” (minha avó fazia essa brincadeira!) pode ser tachado de machista, sexista, insensível à igualdade dos sexos, às conquistas das mulheres nas últimas décadas etc.

Tudo isso para dizer que uma piada é, afinal, apenas uma piada. Simples manifestação cultural, um costume social, um atributo da inteligência humana. Não há, em regra, uma ofensa a quem quer que seja. A pior consequência de uma piada infeliz, que cruza os limites toleráveis da audiência, é o desprezo, o silêncio.

Há, por certo, pertinência em analisar os limites do humor. Mas isso apenas em outra perspectiva, fora do espectro do Direito, notadamente da responsabilidade civil. A ideia do politicamente correto ou mesmo os valores implícitos que motivam a existência ou receptividade de determinado tipo de humor devem ser (como de fato são) estudadas pelas ciências sociais e pela psicologia.

Pode-se sofisticar o raciocínio e cogitar que o humor tem uma função de violência simbólica (emprestando, de modo impróprio, um conceito de Pierre Bourdieu), perpetuando diferenças e preconceitos sob o manto disfarçado do cômico. São todas discussões plenamente válidas.

Mas, repito, afirmar que uma piada é um ato ilícito não me convence.

Atribuir ao Poder Judiciário a função de julgar uma piada é um verdadeiro nonsense: interpretar, com critérios tradicionais hermenêuticos do nosso ordenamento, uma manifestação humorística, equivale a propor uma ação de divórcio de Bentinho e Capitu, a instaurar um inquérito policial para investigar a morte de Odete Roitman ou, ainda, determinar a prisão dos atores que atuaram como mafiosos no filme “O Poderoso Chefão” por formação de quadrilha.

Essa é a linha que, portanto, impede a análise das piadas noticiadas na inicial. Penso que a intervenção do sistema jurídico nesse tema é inócuo.

Não se quer dizer que o humor poderá servir como excludente de responsabilidade em toda e qualquer manifestação. Evidente que é possível admitir, em determinadas situações, a colisão entre princípios fundamentais da liberdade de expressão e a proteção dos direitos da personalidade.

Mais exemplos para facilitar a fundamentação: um caso que ganhou destaque envolveu a atriz “Carolina Dieckmann” e o programa humorístico “Pânico na TV”, então exibido pela emissora “RedeTv”. Havia um quadro denominado “As Sandálias da Humildade”, no qual os integrantes da atração procuravam celebridades com perfil que associavam à “arrogância”, propondo (ou exigindo) a elas que calçassem as chamadas as “Sandálias da Humildade”, numa demonstração de sua “humildade”.

Vários artistas participaram da atração, contrariados ou não.

Ocorre que, no caso de Carolina Dieckmann, houve expressa recusa da artista em contribuir para o quadro.

Nas oportunidades em que era interpelada pelos comediantes, a atriz simplesmente os ignorava, demonstrando claramente que não gostaria de fazer parte da atração. Essa reação, em realidade, agradou aos humoristas, que passaram a realizar uma verdadeira perseguição à atriz. Tudo devidamente registrado pelas câmeras de televisão, sendo certo que os “capítulos da novela” eram semanalmente explorados no programa, catapultando os índices de audiência.

A situação chegou a tal extremo que a produção do programa contratou os serviços de um caminhão com um guindaste, instalando-o defronte à residência da atriz, com os humoristas fazendo de tudo para chamar sua atenção (com um megafone) em seu próprio apartamento. Carolina Dieckmann recorreu ao Poder Judiciário do Rio de Janeiro, obtendo sentença condenatória de indenização por danos morais e, ainda, tutela inibitória proibindo o programa de exibir sua imagem ou fazer qualquer referência ao seu nome .

Nesse caso, é cristalino que houve uma verdadeira perseguição à artista, comprometendo a sua vida diária e violando o seu direito de ir e vir, sua privacidade. Seria um despautério permitir que essa postura incisiva prevalecesse protegida pela roupagem de humor.

Da mesma forma, o humor pode ser intolerável quando destinado especificamente a alguém, constrangendo-o perante o grupo de trabalho, familiar ou social. Com efeito, há casos na jurisprudência que caracterizam assédio moral no ambiente de trabalho ou bullying escolar. Ainda que, no limite, tais gozações pudessem ser enquadradas como piadas, têm uma repercussão direta na esfera de personalidade da vítima, legitimando e impondo a atuação do sistema judicial.

Há, em tais hipóteses, um destinatário específico, uma vítima a ser protegida. A liberdade de expressão é exercida de modo abusivo e, como tal, deixa de configurar excludente de responsabilidade.

Não é, no meu entendimento, o caso dos autos, sendo certo que inexiste a prática de ato ilícito pelo réu, protegido que está pela regra do artigo 187 do Código Civil. Age em exercício regular de direito (liberdade de expressão e manifestação artística).

A ótica que me parece mais adequada é prestigiar a liberdade de expressão e da atividade artística, sem qualquer juízo de valor a respeito do conteúdo e, sobretudo, da qualidade do humor praticado.

Nesse ponto, não se pode deixar de observar o caráter elitista da observação constante da inicial no sentido de que o réu “derrapa no tom da elegância”. O humor, a todo sentir, não tem que ser necessariamente elegante ou inteligente. Aliás, seria presunçoso dizer que apenas o humor inteligente pode ser realizado.

Em decisão do Superior Tribunal de Justiça (Resp 736.015), a Ministra Nancy Andrighi assentou que “a questão paralela posta pelas recorrentes, a respeito do ‘nível’ do humor praticado pelo periódico – apontado como ‘chulo’ – não é tema a ser debatido pelo Judiciário, uma vez que não cabe a este órgão estender-se em análises críticas sobre o talento dos humoristas envolvidos; a prestação jurisdicional deve se limitar a dizer se houve ou não ofensa a direitos morais das pessoas envolvidas pela publicação.

Prossegue afirmando que não cabe ao Judiciário “dizer se o humor é ‘inteligente’ ou ‘popular’. Tal classificação é, de per si, odiosa, porquanto discrimina a atividade humorística não com base nela mesma, mas em função do público que a consome, levando a crer que todos os produtos culturais destinados à parcela menos culta da população são, necessariamente, pejorativos, vulgares, abjetos, se analisados por pessoas de formação intelectual ‘superior’ – e, só por isso, já dariam ensejo à compensação moral quando envolvessem uma dessas pessoas, categoria na qual as recorrentes expressamente se incluem logo na petição inicial do presente processo. A tarefa de examinar aquilo que se poderia chamar de ‘inteligência’ do humor praticado cabe, apenas, aos setores especializados da imprensa, que concedem prêmios aos artistas de acordo com o desempenho por eles demonstrado em suas obras“.

Em conclusão: o juiz não pode dizer se a piada é boa ou ruim, se o humor tem qualidade ou não tem.

Ante o exposto, julgo improcedentes os pedidos iniciais. Revogo a liminar anteriormente concedida.

Custas e despesas pela associação autora. Não há condenação em honorários.

São Paulo, 29 de janeiro de 2014


[1] A liberdade de imprensa e os direitos da personalidade. São Paulo: Atlas, 2008.

[2] Liberdade de imprensa e inviolabilidade pessoal: uma perspectiva jurídico-criminal. Coimbra: Coimbra Editora, 1996.

Para acessar diretamente a sentença siga o LINK

26 comentários em “Há Limites para o Humor ?”

  1. Excepcional a sentença! Argumentação impecável, que desmonta o simplismo dessa autêntica ditadura ideológica do “politicamente correto” (correto para quem? por quê?) que estão querendo impor às democracias liberais do planeta. Deveria merecer da imprensa a divulgação merecida, mas, infelizmente, parece que está acuada pela “intelligentsia”, pelos que decidem o que é bom ou ruim para a sociedade. “Ainda há juízes em Berlim” é o mote que parece sair dessa sábia decisão do Dr. Brandão.

  2. Em minha opinião o douto magistrado deixou claro na conclusão dele ao Estado não é dado o papel de interpretar se há ou não ofensa moral decorrente de supostos “abusos” no humor. Objetivamente é isso. Ora, então porque julgou o mérito? Se o Estado não pode conhecer esse fato logo seria juridicamente impossível o pedido? Acho que acovardou-se de julgar o mérito, sinceramente, e preferiu emitir opinião pessoal sobre o caso, que naturalmente é subjetivo, eu sei. O exemplo dos Estados Unidos fala de uma época que por si só afasta comparações, até mesmo pela história deles. Já nós miscigenados brasileiros, temos outra história, e aqui não podemos utilizar paradigmas estrangeiros de épocas outras, e por isso entendo que deveria ser julgado literalmente o mérito e verificado com o conjunto de provas se houve ou não a intenção de ofender, se houve ou não exageros. Não é questão só de impor limites, é questão de ter razoabilidade no que se faz. Eu, por exemplo, não estou xingando ninguém aqui, e não faria isso a pretexto de piada. Piada depois de toda essa sentença é ofender ou ser ofendido e engolir os fatos como caldo quente de galinha porque o que importa é a liberdade de expressão, sem esquecer da boa piada… Vi muito os Trapalhões em sua época áurea e posso dizer que aquele humor era totalmente inocente e diferente do que se vê hoje. E, para quem duvida, abra o bom youtube e pesquise por vídeos das duas épocas (Trapalhões e StandUps). O humor de hoje é apimentado, e o de ontem é adocicado. As coisas mudaram e o humor também. Discordo totalmente da sentença, já que em um Estado de Direito até a liberdade é limitada. Afinal, ninguém daqui vai pelado ao trabalho ou de sunga e óleo besuntado no corpo para o Fórum. Ninguém também profere opinião sobre os trajes de colegas, juízes e promotores, porque trata do dever de urbanidade, coisa esquecida no humor atual. Mas, como consumidor de material humoristico que sou digo que ainda existem bons humoristas, aqueles que conseguem rir pelo dom, não pelo exagero. É o velho debate entre direito e moral…

    1. Emerson, discordo em muitos pontos, mas em especial quando diz que não podemos usar a jurisprudência estrangeira, especificamente o direito norte-americano. Aquele país é justamente o primeiro a defender a liberdade de expressão, na Primeira Emenda, ainda em vigor desde o Século XVIII. Os americanos influenciam o mundo no que se refere ao estudo dos direitos de expressão e direitos da personalidade, temas em que ainda engatinhamos. A Suprema Corte americana já se debruçou e opiniou sobre questões ainda sem jurisprudência no Brasil. Por exemplo, os limites entre pornografia e liberdade de expressão (caso O Povo X Larry Flint), definindo que sim, a liberdade de expressão inclui o uso da pornografia (para público maior de idade apenas). Logo, precisamos sim da longa experiência jurisprudencial norte-americana diante da nossa tão curta experiência democrática.
      Quanto ao exemplo que citou do Bom Humor, Trapalhões, eles sempre pecaram pelo excesso, com piadas maliciosas sobre mulheres (estereótipo de que são para consumo) e sobre negros (Mussum eram constantemente alvo de piadas que hoje seriam consideradas preconceituosas). O próprio Didi, Renato Aragão, em entrevista, disse que o humor dos Trapalhões não teria espaço nos dias de hoje por causa do aumento da conscientização da população. Enfim, entrariam no rol do politicamente incorreto, ou pior, de um grupo passível de enfrentar processor por causa do humor de “mau gosto”.

      1. Lenye respeito o seu sentimento e a sua opinião e por isso ela é publicada aqui. Mas é justamente de liberdade que se está discutindo. O Juiz pode censurar o humor ? Não há dúvida de que se cuida de uma piada. Mas qual deve ser o agir da sociedade neste caso ? proibir ? ignorar ? desprezar ? manifestar a nossa contrariedade ? condenar a pagar indenização ? No caso, não se esqueça que o Magistrado não expressou a sua opinião pessoal sobre a qualidade do humor. Como você ele também pode não ter aprovado esse jeito de fazer humor. Ele na verdade julgou, diante dos preceitos legais e dos argumentos que usou e que o convenceram de que não cabe ao Judiciário interferir e dizer se o humorista ultrapassou limites. É uma questão polêmica e daí o interesse das pessoas pelo tema. Aproveito para registrar que esse post foi o mais acessado do meu blog. Já registrei mais de 20.000 acessos ao post. Sem dúvida esse debate com a participação do leitor poderá trazer novas luzes para tão difícil questão. Agradeço o seu interesse e espero que continue a nos honrar com a sua leitura.

  3. Tenho para mim que uma das profissões mais difíceis de ser exercida é a magistratura. Isso, porque aos juízes cabe julgar o que ocorre em uma sociedade. Tarefa nada fácil. As relações humanas são, por sua natureza, as mais complexas possíveis. Apenas um exemplo: quando lemos alguma coisa, pode ser uma revista, um jornal ou até mesmo quando assistimos a um programa de televisão, cada um de nós tem sua opinião a respeito do que foi visto ou lido. É claro que cada um tem suas crenças, costumes, ideias, etc, sendo que nossas opiniões serão de acordo com esse modo de vida. Em outras palavras: somos fruto do meio em que vivemos. Nem todos possuem a mesma cultura, nem todos possuem o mesmo entendimento. Filosoficamente é difícil estabelecer o que é certo ou errado, o que é justo ou injusto. Essas coisas se modificam de acordo com a época de cada sociedade. Certo é, que nossas opiniões e conceitos sobre determinado tema, também variam com o passar do tempo. Quem nunca disse: Há, eu tinha certa opinião sobre esse assunto, mas hoje penso diferente. É isso, as coisas mudam com a rotação da terra, o mundo se modifica (nem sempre pra melhor… infelizmente). Sem adentrar no mérito da questão (não por se covarde de não querer discutir o tema), não devemos esquecer que um magistrado também é fruto do meio em que vive. tem suas alegrias, tristezas, suas conquistas, derrotas, acertos, erros, virtudes e defeitos, como todos nós, afinal, somos humanos e isso faz parte de nossa natureza. Nunca será fácil dar uma sentença (para quem gosta: prolatar uma sentença), exatamente por causa dessa diversidade de opiniões. Sempre, mas sempre mesmo haverá opiniões divergentes, Isso, na verdade é o dia a dia dos magistrados. Cada parte, cada advogado mostra o seu lado da história, cada um quer ter razão em suas pretensões, cada um quer ter sucesso na causa. Mas nem sempre isso será possível. Vem daí a inconformidade das pessoas com as sentenças judiciais. Mas não se enganem, mesmo a sentença não sendo a melhor para o caso sob análise, ainda assim será a melhor solução, pois ela coloca fim ao litígio. Se não tivéssemos o judiciário, os conflitos se eternizariam, chegaríamos às raias do absurdo na solução de nossos conflitos, como na antiga Roma, quando se escravizava outro ser humano pelo não pagamento de dívidas. Opiniões divergentes sempre existirão. Acredito que, talvez, a melhor saída seria cada um de nós procurar cada vez mais o aprimoramento espiritual, pois parece que as coisas relacionadas a alma ou como queiram alguns, ao espírito, são eternas, basta dizer que os dez mandamentos, até hoje, nenhum deles conseguiu ser derrogado pelo homem (podem até não serem cumpridos, o que é diferente) e, se aplicados na prática, que sociedade maravilhosa teríamos. Sou solidário ao magistrado que prolatou a decisão, pois foi ele e mais ninguém que teve de enfrentar o litígio e dar uma solução, aliás todo juiz sabe que fica sob crítica, assim que dá sua decisão, e sua profissão é uma das que mais reflexos tem na sociedade, mais na “vitrine” ele fica exposto. Daí alguns dizerem que ser juiz é exercer um verdadeiro sacerdócio.

    1. Jose Milton muito boas as suas observações. É uma correta tradução do trabalho e vida dos Magistrados. É a cultura e o espírito aberto a novos conhecimentos que faz um bom Juiz e o que o faz ainda melhor é a capacidade de externar a racionalidade das suas decisões, como fez aqui o Douto Magistrado, dando a público as razões que considerou para decidir. Conhecer os motivos da decisão é direito que a sociedade tem.

  4. Ao invés de ajudar o judiciário a buscar a responsabilização de quem desvia milhões de recursos todos os dias e desta forma ferindo de fato a dignidade dessas classes, a criatura prefere ocupar nossos magistrados com essas questões infrutíferas. Estamos na época da sociedade sensível, é muito mimimi!!!

  5. Não tenho formação jurídica porém aprecio textos da área, principalmente as sentenças, onde podemos analisar a linha de raciocínio e argumentos sobre a discussão, além de poder ler um bom português que a cada dia se torna mais escasso em nossa sociedade. Nos remete a uma introspecção cultural e educacional ampliando nosso conhecimento. Na referida sentença, além de poder absorver tudo isso, a didática na exposição de seu raciocínio me chamou a atenção. Mais um grande aprendizado. Realmente o magistrado deu o seu ” TOM ” neste espetáculo.

  6. Sinceramente, me decepcionei com a conclusão. Esperava ouro desfecho. Como pessoa comum tenho nojo de tais personalidades que lucram tripudiando o sofrimento e as mazelas das minorias. como advogado, penso que faltou justiça. já que a Constituição preve que nenhuma ofensa ou ameaça a direito pode ser excluida da apreciação do P Judiciário. A ofensa a uma pessoa, penso, é uma ofensa a todos. Nao assisto esses humorista e me sinto ofendido só de saber que a tv da espaço para tais programas.

  7. Então quer dizer que posso ofender, maldizer, difamar outro ser humano e depois é só falar que sou comediante ?
    Se não cabe ao Judiciário decidir se ultrapassou os limites, cabe a quem ?

    1. Prezado Adriano, ofender ninguém pode, mesmo fazendo humor. Neste caso ocorreu ofensa ? Entendeu-se que não, porque é manifestação de humor. Mas é claro que a sua opinião deve ser respeitada.

      1. Você se contradiz, concorda comigo que ninguém pode ofender mesmo com humor, e depois diz que não ocorreu ofensa porque é manifestação de humor.
        A palavra “retardado” (foi a palavra utilizada pelo humorista em relação a todos que estão na APAE) é ofensa sim !.
        Acho que o juiz em questão cometeu um equívoco, e abriu um precedente sem limites. Porém respeito a sua opinião igualmente.

      2. A ofensa Adriano deve ser dirigida a uma pessoa determinada e nesse caso não foi. O humorista pode ter se excedido, é verdade, ao menosprezar as deficiências das pessoas. Eu não estou manifestando aqui a minha opinião sobre a sentença. Não tenho ainda convicção formada sobre esse tema. Por isso me agrada muito ouvir as pessoas. Nós sempre aprendemos ouvindo. O que digo aqui é que o Juiz apresentou uma argumentação razoável para a conclusão a que chegou e as suas razões têm a virtude de provocar uma reflexão coletiva sobre os limites do humor. Você viu certamente que muitos são a favor do que ele pensa e outros, como você, criticam. Espero que a sociedade amadureça para definir até onde podemos censurar essas manifestações de humor.

      3. A APAE é uma pessoa jurídica determinada. A ofensa, ou melhor dizendo, o Dano Moral não se dirige apenas às pessoas físicas.
        Discutir sobre um tema polêmico é sempre benéfico.
        Você está certo, as pessoas naturalmente tendem a pensar diferente, ter opiniões, e não acho isso ruim, só que o juiz não agiu pensando no bem maior, afinal, como eu já disse no comentário anterior, ele abriu um precedente para que tal ação, de ofensa como humor, saia impune. Ressaltando que não tenho nada contra manifestação artística em geral, mas se for colocar na balança o bem comum, ou melhor, a dignidade humana possui muito mais valor do que a simples manifestação artística em forma de insulto.
        Ninguém deve ter o direito de ofender em nome da liberdade de expressão, se expressar é uma coisa, ofender outro ser humano é outra coisa totalmente diferente.

    1. Muito obrigado Carlos, apesar de você não possuir uma opinião formada sobre o assunto, admiro o seu caráter e também o seu blog.
      Várias pessoas comentam ou até respondem com uma certa falta de educação sobre a opinião de outros, e você respondeu com muita educação, parabéns.
      Com certeza continuarei lendo seu blog.

  8. O sujeito não ofendeu a APAE ou uma pessoa em específico. Ele falou de maneira genérica, assim como faz (e tantos outros) com judeus, negros, cegos, mulheres, jogadores de futebol, funkeiros etc. Não há, portanto, agente ofendido ou vítima. Algum “retardado” (as palavras são dele) pode ter gostado da piada. A APAE tomou as dores, mas outros representantes da “classe” poderiam fazê-lo, em sentido contrário. Por isso nada há para ser tutelado pelo Estado. A piada, por si só, é medida no meio social. Se é boa, as pessoas gostam e reproduzem. Se é ruim, cai no esquecimento. Simples! No caso da Wanessa Camargo, lembrem, o mesmo humorista foi condenado. Com efeito, havia um destinatário para a piada de mau gosto. Assim, bem fez o juiz ao decidir que o Judiciário não pode dizer qual piada é boa e qual não é. Só o caso concreto vai responder isso. Entender de maneira diferente é autorizar o Estado a controlar o que você e eu pensamos, dizemos etc. E isso não é democracia, todos sabemos bem.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s